2009/02/22

Formação Cívica

NOVO TEMA/NOVA FICHA sobre CONVENÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA (visite o site que está no blog "A Consultar" para as aulas de Formação Cívica). Prepara-se!

DESAFIO III (Vale 12 pontos):
1. Produz uma pequena reflexão pessoal acerca do artigo 29º da Convenção "A educação deverá ter como objetivo o pleno desenvolvimento da personalidade, talentos e capacidade física e mental da criança. A educação deverá preparar a criança para uma vida adulta livre, numa sociedade livre, e propiciar o respeito aos pais da criança, à identidade cultural, língua e valores da criança, bem como o respeito ao ambiente cultural e aos valores dos outros."


DESAFIO II (Vale 10 pontos):

1. Em que ano entrou em vigor a Convenção dos Direitos da Criança?
2. Em que ano a mesma foi ratificada por Portugal?
3. Em que dia/mês do ano se comemora o Dia Mundial da Criança?
4. Qual é a sua opinião acerca do Dia Mundial Contra o Trabalho Infantil?
Vencedora: Ana Sofia, 8º D.


O TRABALHO INFANTIL
"O trabalho infantil é um dos grandes dramas sociais do mundo.
Desde sempre, as crianças trabalharam, ajudando as famílias nos campos e nos ofícios, com maior ou menor intensidade. A extrema fragilidade dos meios de subsistência, no tempo em que as técnicas de produção e a organização social eram precárias, a isso obrigavam, pois era necessária a colaboração de todos. O advento da Revolução Agrícola e da Revolução Industrial trouxe novos dados: nas minas e nas fábricas, as crianças passaram a fazer parte do operariado, cumprindo jornadas de trabalho de quinze ou dezasseis horas.
Hoje em dia, porém, reconhece-se que o trabalho tem consequências extremamente negativas sobre a saúde e o crescimento da criança. O normal desenvolvimento físico, psíquico, social e emocional da pessoa tem exigências que não se coadunam com a disciplina do trabalho. Por outro lado, a generalidade das crianças que trabalham não frequenta a escola, ainda que a escolaridade, a um nível básico, seja mencionada na Convenção dos Direitos da Criança.
A UNICEF estima que uma em cada quatro crianças do Terceiro Mundo e dos países em vias de desenvolvimento, sobretudo asiáticos e africanos, tem que trabalhar para reforçar o orçamento da família. São mais de 250 milhões de crianças que trabalham em condições sanitárias por vezes deficientes, durante um número de horas excessivo, mesmo para adultos, por salários extremamente baixos, sem qualquer tipo de apoio social. As crianças são mão-de-obra dócil e barata, fácil de explorar.
A resolução do problema passa pelo desenvolvimento económico dos países mais pobres, de forma a erradicar a miséria; pela promulgação e pelo cumprimento de legislação que garanta os direitos da criança (escolaridade obrigatória, estabelecimento de uma idade mínima legal para trabalhar, etc.); e pela própria pressão dos cidadãos dos países desenvolvidos, que podem recusar-se a consumir produtos que sabem ter sido feitos com recurso ao trabalho infantil".(Convenção dos Direitos da Criança. In Infopédia).




DESAFIO I(VALE 5 PONTOS PARA O 1º QUE RESPONDER ACERTADAMENTE):
1. Identifique a figura representada na imagem.
2. Identifique a sua profissão.
3. Identifique a organização por ele fundada.
4. Quando foi fundada essa organização.
5. Identifique os objectivos da organização.
Vencedor: Rodrigo, 8º D.

A chave correcta da ficha realizada sobre a DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM: 1)b; 2)a; 3)a; 4)a; 5)c; 6)b; 7)c; 8)c; 9)b; 10)a.

17 comentários:

Anónimo disse...

O indivíduo representado na imagem chama-se Peter Benenson. Nasceu no dia 31 de Julho de 1921, em Londres e provinha de judeus com origem russa. Cedo, viu-se obrigado a encarar a vida sem a presença patrena, pois seu pai viria a falecer. Candidatou-se a uma Universidade em Oxford, onde estudou Direito, porém dedicou-se a outros assuntos, nomeadamente, os que envolviam guerras entra cidadãos, por exemplo. Foi o grande fundador da Amnistia Internacional, uma organização não-governamental que tinha e tem como principal propósito promover os direitos humanos.

Ana Sofia , nº3 , 8ºD

Rosário Borralheiro disse...

Quase certo Ana! Falta responder à questão 4.! Rápido...

Anónimo disse...

Peter Benenson nasceu em Londres, Inglaterra, a 31 de julho de 1921, foi um advogado e ativista político britânico. Nascido no seio de uma família judaica com origem russa, filho de Flora Benenson e Harold Salomon (coronel do exército britânico), com o nome de Peter James Henry Solomon, acrescentou mais tarde o sobrenome de sua mãe como homenagem ao avô materno, o banqueiro russo Grigori Benenson.
Perdeu o pai quando ainda era muito jovem sendo criado pela mãe que lhe orientou inicialmente sua educação através de professores particulares. Posteriormente, estudou no renomado Eton College onde já se destacou pelo comportamento contestador, tendo escrito várias cartas ao diretor desta instituição onde chegaria ao ponto de escrever uma carta para a sua mãe queixando-se das “tendências revolucionárias”.Após o secundário, foi para o Balliol College na Universidade de Oxford, onde se licenciou a História. Durante a Segunda Guerra Mundial incorpurou se ao exército, trabalhando no Gabinete de Imprensa no Ministério da Informação, mais tarde voltou para Oxford e formou-se em Direito. E aí dedicando se à advocacia e filiou-se ao Partido Trabalhista Britânico.
Foi o grande fundador da Amnistia Internacional fundada a 1961, a Amnistia é uma organização não-governamental que tinha e tem como principal propósito promover os direitos humanos, esta ideia surgiu depois de ele (Peter Benenson) ler um artigo no jornal The Observer, onde falava da detenção de dois estudantes que, num café de Lisboa , em plena ditadura salazarista, ousaram fazer um brinde á liberdade. A Amnistia Internacional tornou-se a maior organização independente do mundo de defesa dos Direitos Humanos, contando com cerca de 1,8 milhões de membros, ganhando o Prémio Nobel da Paz em 1977.

Anónimo disse...

o comentario em cima é de
Sara Teixeira
do 11º H

Rodrigo Matias nº25 8ºD disse...

A personagem representada na imagem e Peter Benenson, que nasceu no dia 31 de julho de 1921, em Londres e as suas familias tinham origem dos judeus com origem russa. Atravessou bastantes dificuldades pois seu pai faleceu bastante cedo e a sua vida levou uma grande volta pois n tinha a presença paternal n sua vida para lhe dar o devido apoio.
Concorreu para uma Universidade em Oxfrod, onde queria fazer carreira na área de Direito, pois achava que podia dar oiutra dimensao aos seus protestos. Mas com 39 anos ao ler uma noticia num jornal sentiu-se mais irritado com a situaçao da noticia, e no seu futuro dedicou-se a situaçoes como guerras, conflitos, etc.. entre a cidadania.
Peter Beneson foi o funadador da Amnistia Internacional foi fundada em 1961, a ideia surgiu ao ler uma noticia num jornal sobre uns jovens que em plena ditadura salazarista forma detidos enquanto brindavam a liberdade num cafe em Lisboa. Esta organizaçao é uma organizaçao nao-governamental, que a sua principal ideia era defender os direitos humanos

Rosário Borralheiro disse...

Obrigada Sara por ter participado!

Rosário Borralheiro disse...

O Rodrigo ganhou os cinco pontos (passa a 55)! Parabéns!

Anónimo disse...

Relativamente ao desafio número 2 :

Em 20 de Novembro de 1989, entrou em vigor a Convenção sobre os Direitos da Criança, iniciativa tomada pr parte da Nações Unidas. Este documento, relatava os direitos civis e politicos, sociais, económicos e culturais dos menores. Foi adoptado pelos 192 membros do Estado do mundo, excluindo os Estados Unidos da América e a Somália que até o quotidiano não ratificaram este documento.
Portugal fê-lo a 21 de Setembro de 1990. O Dia Mundial da Criança comemora-se a 1 de Junho de cada ano.
A meu ver, o Dia Mundial Contra o Trabalho Infantil é muito importante para a sociedade. Imaginemos que eu era uma pobre criança, proveniente de uma família que vivia num dos países mais pobres do mundo. Uns indivíduos, começaram a tratar-me como uma escrava, levando-me a vários pontos do mapa, onde fazia vários tipos de trabalhos “sujos”, como por exemplo, prostituição; servidão doméstica; casamento precose e trabalhos altamente perigosos. Acontece que estava a ser vítima de tráfico infantil, o que era frequente na altura! Perguntava-me muitas vezes: “Não tenho direitos?”; “Quando vou poder viver?”; “O que significa para estes homens liberdade?”, ou seja, um conjunto de questões que provavelmente nunca iriam ser respondidas!
Neste pequeno relato, exprimi a minha opinião de uma forma distinta, mas espero que a professora compreenda o que penso.

Vamos lá ver se é desta que ganho uns pontinhos! :DD
Ana Sofia

Rosário Borralheiro disse...

Sim ganha os 10 pontos (passa a 70)! Compreendi e gostava que lesse o artigo sobre o tema do trabalho infantil.

Rafita disse...

Na figura está representado Peter Benenson (Londres, Inglaterra, 31 de julho de 1921 – Oxford, Inglaterra, 25 de fevereiro de 2005) foi um advogado e ativista político britânico. Nascido no seio de uma família judaica, filho de Flora Benenson e Harold Salomon (coronel do exército britânico), com o nome de Peter James Henry Solomon, acrescentou mais tarde o sobrenome de sua mãe como homenagem ao avô materno, o banqueiro russo Grigori Benenson.
Tendo perdido o pai quando ainda era muito jovem, foi criado pela mãe, que orientou inicialmente sua educação através de professores particulares. Posteriormente, estudou no renomado Eton College onde já se destacou pelo comportamento contestador, tendo escrito várias cartas ao diretor desta instituição nas quais reclamava das péssimas condições da cantina e da baixa qualidade da comida escolar, a tal ponto que este escreveu uma carta a sua mãe queixando-se das “tendências revolucionárias” de Benenson. Ainda no período escolar, com apenas 16 anos, lançou usas primeiras campanhas: reuniu fundos para auxiliar o Comitê de Ajuda à Espanha (que auxiliava órfãos de pais republicanos, durante a Guerra Civil Espanhola) e para ajudar famílias de imigrantes judeus que fugiam da perseguição nazista.

Após o secundário, foi para o Balliol College da Universidade de Oxford, onde licenciou-se em História. Durante a Segunda Guerra Mundial incorporou-se ao exército, trabalhando no Gabinete de Imprensa do Ministério da Informação. Com o término do conflito, voltou para Oxford e formou-se em Direito. Dedicou-se então à advocacia e filiou-se ao Partido Trabalhista Britânico.
Em 1957, como membro da Associação dos Advogados do Direito do Trabalho, ajudou a formar a organização Justice e criou a Associação Para Doentes Celíacos. Em 1961, fundou a Anistia Internacional, organização independente a qual dedicou os seus 43 anos seguintes de vida. Converteu-se ao catolicismo e nos anos 80, fundou a Associação de Cristãos Contra a Tortura. Benenson passou os últimos anos de sua vida muito doente, e faleceu de pneumonia, no Hospital John Radcliffe.

Rosário Borralheiro disse...

Muito bem Rafaela, esteja atenta ao próximo desafio.

Anónimo disse...

resposta ao desafio 3 :

A partir da leitura deste artigo verifico que todo o ser humano tem o livre direito de viver em ambientes saudáveis e propícios para o seu desemvolvimento deste.
Todas as crianças devem ter uma boa educação para um dia exercerem uma profissão digna e ficarem com uma vida estável.
Como já referido anteriormente o desenvolvimento de uma criança deve ser num ambiente social e cultural propício.Assim com a intrepertação deste artigo verifica-se mais um dos direitos e deveres tanto das crianças como dos seus pais.

Carlos César, nº6, 8ºD

Ana Rola disse...

Desafio III:

A meu ver, depois de bem analisado o artigo, cheguei a conclusão, que sem o mínimo da educação a criança não consegue chegar a lado algum, na vida. O mínimo da educação parte em primeiro lugar dos seus pais, pois os filhos seguem o exemplo deles, e lógico, se as crianças não forem respeitadas não vão respeitar alguém, nem os próprios pais.
Posso também concluir que todas as crianças tem o direito a uma vida adulta livre, a viver bem na sociedade, em que estamos, e claro respeitando a personalidade e o humor das outras pessoas, sabendo que ninguém é perfeito.

Rafita disse...

desafio 3:
A meu ver o artigo quer mostrar que é desde de pequenino que uma criança tem amor, carinho, educação e um bom desempenho perante a sociedade. É desde de muito cedo que que aprendemos a fazer coisas que nos vão contribuir para o futuro.Tudo o que os nosso pais nos ensinaram, a dar valor à vida para aproveitá-la e depois devemos de fazer o mesmo aos nossos filhos. Quando uma criança não tem uma boa educação em casa, um boa relacionamento com a família as gerações seguintes é que irão sentir o sofrimento dos pais, e não queremos isso para a sociedade pois essas crianças ao nascerem numa família que sofreu muito irá mostrar para toda a sociedade arrogância, raiva e até pode ser violento. A todos os pais deste mundo pede-se que deêm uma boa educação para os filhos se querem que eles tenham um bom futuro, porque se não cumprirem fazemos esta pergunta do quê que adianta existir uma convecção dos direitos da criança se não cumprem??
É certo que toda a gente tem direitos e deveres e as crianças não são regra, mas também os adultos não fogem pois também têm direitos e deveres a cumprir e um deles é cumprir os direitos das crianças.

Anónimo disse...

Quanto ao desafio III:

Na minha opinião, durante o desenvolvimento psíquico e físico de uma criança, têm de estar presentes uma série de factores, para assim a prepararem para a sociedade, tais como: o respeito, a liberdade de expressão, a partilha do conhecimento, o convívio saudável, o direito, entre outros. Vejamos, num mesmo local encontram-se várias crianças, cujos níveis de educação são diferentes, tem diferentes oportunidades. Aquelas cuja educação apresenta um nível elevado, obtêm sucesso escolar; um óptimos climas de amizade; criam valores em sociedade; conhecem e sabem aplicar as verdadeiras defenições de respeito, liberdade e direito e sabem que o futuro exige trabalho, contudo não deixam de saber também que é preciso muita dedicação e esforço. Quanto aquelas cujo nível de educação é limitado, sem acesso à ciência, sem estimulo, ou seja, apresentam as características opostas referidas em cima, futuramente tornarse-ão pessoas agressivas; com pucos conhecimentos; com poucas amizades(sendo as poucas que têm, muitas vezes "más influências").

A educação também é responsável por preparar outrém para uma vida e uma sociedade onde os direitos estipulados sejam adquiridos; onde as várias formas de discriminação e exclusão estejam extintas, e tudo o que a estas se relaciona. A educação, não pode deixar de impôr o respeito aos nossos progenitores, que nos criaram e amam e que são os nossos fiéis companheiros; De preparar o ser para respeitar os outros, para poder ser respeitado e de alertar para o respeito para com aquilo que nos rodeia e que muitas vezes é destruído-CULTURA.


É óbvio que este artigo, como todos os outros, é de extrema importância e mesmo assim há pessoas, vilas, cidades, paíse que não o cumprem da melhor maneira. A educação tem de ser dada da melhor maneira possível, para assim haver uma sociedade digna em gente e em meios!!!

Ana Sofia
nº3 8ºD

Rosário Borralheiro disse...

Estou a gostar das reflexões...

Anónimo disse...

Desafio III:

Este artigo é muito importante, aliás são todos muito importantes. Como fala neste artigo a educação tem como objectivo desenvolver o carácter, a capacidade mental, física, a personalidade ou até eventuais talentos que possuam ter. Esta também a deve alertar para os perigos da vida adulta, pois o mundo não é o conto de fadas que todas as crianças pensão, não esquecendo que deve ajudar a estabelecer o respeito entre a crianças e os pais desta, ajudar a criança a encontrar a sua identidade cultural, bem como a aceitar a sua língua, respeitar o ambiente cultural, os seus valores e os dos outros.

Ass.:Francisca Ferreira n.º8 / 8ºD